ÁGUA QUENTE SANITÁRIA

Termoacumuladores a gás


Acha aceitável, pagar duas vezes mais para ter água quente ?

NÓS NÃO.

Descrição e aplicações:

Os termoacumuladores a gás, são a mais avançada solução para a obtenção a baixo custo de grandes quantidades de água quente e a altas temperaturas, o que não acontece nos aparelhos sem depósito de acumulação de água, como caldeiras, esquentadores, etc., bem como em todos os aparelhos de aquecimento de água eléctricos.

Graças à sua característica constructiva, os termoacumuladores a gás oferecem a máxima fiabilidade de funcionamento, segurança e manuseamento. Além disso, necessitam pouca manutenção, visto não necessitarem de qualquer fonte de aquecimento (caldeiras, esquentadores, etc.) e por ocuparem pouco espaço, os termoacumuladores a gás poderão ser instalados em caves arejadas ( se o abastecimento não for com gases butano, propano ou ar propanado) sótãos ou em qualquer parte da habitação.

Na altura da escolha do local para montagem do termoacumulador a gás, deve verificar-se se o ar ambiente desta zona está isento de substâncias químicas, tais como flúor, cloro, enxofre, etc., e ainda sprays, vernizes, solventes, produtos de limpeza, tintas, colas, etc., que contenham estas substâncias, dado que as mesmas aceleram o processo de corrosão e o mau funcionamento do aparelho.

Os termoacumuladores foram concebidos para funcionar com qualquer tipo de gás (natural, ar propanado, cidade, butano ou propano). Aprovados e certificados com a marca CE, os aparelhos devem ser instalados conforme as normas europeias em vigor e ligados a uma chaminé de tiragem de gases da combustão.

Os termoacumuladores a gás, são aparelhos verticais, com base assente no chão, constituídos por uma tampa cónica, um reservatório, uma ou mais chicanas, queimador multigás, ânodo de magnésio, termómetro, válvula de segurança, ignição piezoeléctrica e chama piloto. Utilizados em instalações múltiplas: em série, em paralelo ou individualmente. Este tipo de equipamento utiliza-se em todas as situações em que existem picos de produção de água quente, como por exemplo nas habitações, comércio e industria.

Especificações:

Controlo e segurança absoluta em qualquer altura e em qualquer situação, através da válvula termostática com segurança termoeléctrica e dispositivo automático de controlo dos gases da combustão.

A temperatura da água quente é regulada no termostato, entre 40ºC e 85ºC, em caso de avaria, o limitador de temperatura interrompe a corrente térmica, quando a água atinge os 90ºC. A entrada de gás ao piloto e ao queimador ficam desta forma cortadas. O dispositivo automático de controlo de gases instalado em todos os modelos, evita os acidentes devidos a fugas de gás bem como dos gases da combustão.

Controlo de Fumos

A qualidade na escolha adequada dos materiais, bem como a cuidadosa produção técnica, são condicções prioritárias para o êxito na aplicabilidade destes termoacumuladores a gás.

 

Mecânicas:

· o reservatório é construído em chapa de aço esmaltado a 870º ou zincado a quente (conforme as capacidades), assim como a envolvente exterior do termoacumulador é em chapa de aço zincado a quente e plastificado,

· entre o reservatório e o revestimento exterior, o termoacumulador dispõe de uma camada de lã de vidro de elevada densidade,

· o queimador é em aço inox e atmosférico,

· a superfície de permuta entre a água e os gases de combustão é constituída por uma chicana ou mais, conforme a capacidade do aparelho, em aço, localizada(s) no interior do reservatório. O desenho da superfície de permuta varia de modelo para modelo,

· excelente protecção catódica fornecida por um ânodo de magnésio facilmente substituível evitando a corrosão do reservatório, prolongando a vida do termoacumulador.



Térmicas - hidraúlicas:


· a câmara de combustão é proporcional ao reservatório e à potência do queimador.

Séries disponíveis - aplicabilidades múltiplas:


Série normal: Modelos G

Estes termoacumuladores a gás aplicam-se quando se pretendem picos de consumo com intervalos iguais ou superiores a 8 h, sendo utilizados por exemplo em habitações, cantinas, hoteis, etc. Com capacidades disponíveis entre os 150 lts. e os 2.000 lts. e potências caloríficas variáveis entre 11,6 Kw e 34,8 Kw.


Série de grande potência: Modelos GP

Os termoacumuladores a gás constantes desta série estão equipados com um queimador, permitem responder ás solicitações com intervalos de tempo iguais ou inferiores a 1h 30 mn, sendo obrigatóriamente necessários em ginásios, clubes desportivos, escolas, etc. De capacidades disponíveis em 300/ 400/ 500 lts. e potênçias caloríficas variáveis entre 48,9 Kw e 58,0 Kw.

As ligações hidraúlicas nestas séries foram calculadas, por forma a minimizar perdas de carga e obstrução do caudal durante os picos de consumo.

Homologações:

Todos os nossos termoacumuladores a gás, possuem aprovação e certificados CE.

Esquema dos aparelhos:
1- tampa cónica
2- termómetro
3- válvula de segurança
4- acessórios da tubagem de gás (junto da válvula)
5- botão para regulação da temperatura da água (termostato)
6- termopar
7- tubo de alimentação de gás ao queimador
8- tubo de alimentação de gás à chama do piloto
9- queimador multigás
10- botão de ignição piezoeléctrica
11- ânodo de magnésio
12- saída de água quente
13- recirculação
14- entrada de água fria

 

 


INSTALAÇÃO:

Normativas

Os termoacumuladores a gás devem ser instalados por pessoal devidamente qualificado e de acordo com a legislação em vigor.


Local
Os termoacumuladores a gás devem ser instalados num local bem ventilado (se possível com janelas, grelhas de ventilação, etc.)


Exaustão dos gases de combustão
O tubo de exaustão deve ser ligado a uma chaminé ou dirigido directamente para fora do edifício, convenientemente protegido pelo vento. É essencial que o tubo de exaustão seja colocado com uma inclinação mínima de 2% e que seja o mais curto possível.

Ligação do gás
A ligação da alimentação de gás à válvula no termoacumulador (nº 3 da Fig.1) deve ser feita com tubos de cobre ou galvanizado de diâmetro conveniente. Deve sempre haver uma torneira no tubo a montante do termoacumulador.

Nos termoacumuladores alimentados a LPG é essencial a montagem de um redutor de 35 mbar.

Ligações de água
Entrada de água fria (nº 14 da Fig.1)
Instalar a válvula de controle de 3 funções fornecida com cada aparelho. Instalar um amaciador de água de polifosfatos, ou um purificador no caso de água muito dura. Instalar um filtro para filtragem de quaisquer impurezas que possa haver na água da rede (areias, lamas, etc.).
N.B.: Não instalar uma válvula de anti-retorno, uma vez que tal iria impossibilitar a água de regressar à rede numa situação de sobrepressão. Caso, para aumentar o fluxo de água, seja necessário a instalação de uma válvula de anti-retorno, faça um orifício de 2.5 mm de diâmetro para garantir o retorno à rede na eventualidade de sobrepressão.

Saída de água quente (nº 12 da Fig.1)
Instale um tubo normal de alimentação.

Dispositivo de recirculação (nº 13 da Fig.1)
Instale a válvula de segurança, regulada para 5.8 Atm. Instale um vaso de expansão maior ou igual a 10% da capacidade do termoacumulador, de forma a compensar o aumento natural do volume da água durante o aquecimento. Este dispositivo também é utilizado, quando necessário, para fazer a recirculação da água.

Arranque:

Primeiro:
Certifique-se de que o aparelho está cheio de água.
Abra a torneira do gás.
De seguida:


Ignição
n Gire o botão de controlo (nº 15 da Fig.3) para a posição [, carregue e mantenha-se a carregar.
n Carregue repetidamente no botão do acendedor piezoeléctrico (nº 10 da Fig.1) até que a chama do piloto (nº 17 da Fig.6) acenda.
n Solte o botão de controlo (nº 15 da Fig.3) cerca de 30 segundos depois da chama do piloto ter acendido.
n Gire o botão de controlo (nº 15 da Fig.3) para a posição … e utilize o botão de regulação de temperatura (nº 4 da Fig.3) para obter a temperatura desejada - para a temperatura máxima gire o botão no sentido contrário ao dos ponteiros de relógio até ao limite.

N.B.: Na eventualidade da ignição piezoeléctrica não funcionar, pode utilizar um fósforo para acender a chama.

A primeira vez que ligar o aparelho terá que esperar até todo o ar sair dos tubos. O que quer dizer que a chama do piloto demorará alguns minutos a acender.


Posição do piloto
- Gire o botão de controlo (nº 15 da Fig.3) para a posição
A posição do botão de regulação de temperatura da água (nº 5 da Fig.3) é irrelevante.


Para desligar o termoacumulador
- Gire o botão de controlo (nº 15 da Fig.3) a posição h
- Feche a torneira do gás.


N.B.: O obturador de segurança ficará aberto durante 30-40 segundos após a chama do piloto ter apagado. Assim terá de aguardar alguns minutos antes de ligar de novo.



Regulações diversas:

· Regulação da chama do piloto.

· Ajuste do fluxo de gás para o piloto.

· Ajuste da pressão de saída do queimador.

· Ajuste do termostato.

Podem ser executados vários reajustamentos nos termoacumuladores a gás, para obtenção de requisitos específicos, mas apenas por técnicos autorizados e devidamente qualificados.




Conecção térmica:

A pedido, é possível o fornecimento de termoacumuladores para conecção térmica.

Estes termoacumuladores utilizam a água quente das caldeiras de aquecimento central para aquecimento da sua água, por meio de uma serpentina colocada no interior do termoacumulador.

Esta serpentina, feita em cobre, com alhetas, é montada na parte de trás do termoacumulador numa flange e pode ser facilmente retirada. A superfície do permutador de calor varia de modelo para modelo.

A conecção é feita do modo seguinte:

- A saída de água quente da caldeira é ligada à ponta superior da serpentina.
- A ponta inferior corresponde à saída.


Limpeza e manutenção:


Deve ser feita uma vez por ano e consistindo em:

- Retirar o queimador e limpeza do local.

- Limpeza do bico do piloto, termopar, queimador e electrodo do acendedor piezoeléctrico (nº 16 da Fig.6).

- Limpeza das exaustões, retirando primeiro os deflectores que se encontram no seu interior.

- Introdução de um ânodo de magnésio novo (nº 11 da Fig.2).

- Verificação de que a válvula de segurança, regulada para 5.8 Atm, montada no dispositivo de recirculação, está a trabalhar devidamente.

- Confirmar que a membrana no tanque de expansão está intacta.



Indicações para o utilizador:


Para retirar o máximo rendimento do seu termoacumulador a gás, deverá ter em atenção os seguintes pontos:
- Deve deixar a chama do queimador a arder de dia e de noite. Isto porque a chama compensa as perdas de calor do termoacumulador - e, de qualquer forma, o consumo do piloto é mínimo. Desta forma, terá sempre água quente.
- A temperatura ideal de armazenamento é de cerca de 50ºC e é suficiente para a maioria das necessidades.
- Pingas por baixo do termoacumulador são normais durante o arranque e é uma situação passageira que desaparece assim que o aparelho esteja em funcionamento normal.
- Caso o pingar se mantenha, convem verificar se a exaustão está a funcionar correctamente.

 


« artigo anterior ———— início ———— próximo artigo »